Fale conosco

O que você está procurando?

Márcia Piovesan

LUTO

Dona Déa desabafa sobre a perda de Paulo Gustavo

Dona Déa e o ator, Paulo Gustavo
Dona Déa e o filho, Paulo Gustavo

Pela primeira vez, Dona Déa, mãe do ator Paulo Gustavo contou: ‘A cada morte de um filho eu chorava, sem saber que o meu ia passar por isso’

Paulo Gustavo foi uma das personalidades mais contagiantes e brilhantes que já passaram por este mundo. O Brasil se prostrou à morte do humorista, ocorrida em decorrência de complicações da Covid-19. Desse modo, sua mãe, dona Déa Lúcia, desabafou sobre essa perda e contou como foi a despedida do filho.

De acordo com a colunista Patrícia Kogut, do Globo, a jornalista Renata Ceribelli entrevistou Dona Déa para o programa Fantástico, que irá ao ar neste domingo, 09/05, em homenagem ao Dia das Mães.

 Nesse sentido, a mãe do ator contou como está se sentindo após perder o filho, e declarou:

“Não tô bem, mas eu sou capaz de rir. Eu, quando falo dele, eu conto as coisas, eu rio, porque ele detestava quando eu chorava. Ele dizia: ‘lá vem mamãe’. Então, eu tenho que ter força, Renata. A cada morte de um filho (por causa da pandemia) eu chorava por essa mãe, sem saber que meu filho ia passar por isso”.

Contudo, dona Déa revelou como foi a despedida ao filho e apontou quem estava presente no momento em que Paulo Gustavo faleceu.

“A gente foi chamado no hospital, porque ele teve morte cerebral. E nós quatros, Juju (irmã do ator), Júlio, eu e Penha ficamos ali. Juliana com a mãozinha dele. O Júlio segurou em uma mãozinha, eu na outra. O Thales no pé, e o Júlio fazendo carinho na cabeça. Eu chamei Penha, vem cá Penha, segura aqui comigo porque você também participou da vida dele. Aí cantamos a oração de São Francisco, que ele sempre pedia, desde pequeno, para cantar. E eu cantava. O batimento foi diminuindo”, explicou ela sobre os batimentos cardíacos, que zeraram nesse momento, bem como a família precisou fechar a cortina e se afastar do ator.

Todavia, vale lembrar que o ator comoveu o país com sua morte, ocorrida no dia 04/05, dias antes do Dia das Mães. Ele também ficou conhecido como a “mãe de todas as mães”, a eterna Dona Hermínia, papel que o humorista interpretou em homenagem à sua mãe, Dona Déa Lúcia.