Fale conosco

O que você está procurando?

Márcia Piovesan

Famosos

Amiga de Paulo Gustavo declara: ‘Imenso vazio’

Susana Garcia, amiga de Paulo Gustavo, na missa de sétimo dia - Crédito: Reprodução / Multishow
Susana Garcia, amiga de Paulo Gustavo, na missa de sétimo dia - Crédito: Reprodução / Multishow

Susana Garcia, melhor amiga de Paulo Gustavo, faz homenagem na missa de sétimo dia: ‘Como viver sem a sua gargalhada gostosa?’

Amiga de Paulo Gustavo, a diretora e médica Susana Garcia representou os amigos dele durante a missa de sétimo dia aos pés do Cristo Redentor. Assim, ela fez um discurso emocionante sobre a personalidade alegre dele durante a vida.

“Eu estou aqui para falar em nome de todos os amigos de Paulo Gustavo. Todos que estão aqui experimentaram o seu amor. Hoje é dor que sentimos. Você transformou a vida das pessoas que amou. Potencializando a vida de cada um. O espaço que você ocupava na vida da gente era enorme. Você era o agora, você era presença. Como lidar com esse imenso vazio? Como viver sem a sua gargalhada gostosa?”, questionou.

Então, ela completou sobre a amizade dele com todos. “Você uniu todos os seus amigos, nós aprendemos com você que amizade é amor. Você está vivo em nós. Quanto do nosso jeito de rir e falar não vieram de você? Você é a pessoa mais coerente que eu já conheci. A gente sempre queria a sua opinião”, afirmou.

Por fim, Susana Garcia emocionou ao falar da morte de Paulo Gustavo em decorrência da Covid-19. “Você e muitas pessoas morreram porque não tiveram duas doses de uma vacina que já existe. Essa dor não pode ser em vão. Por isso, por você, nós seremos um imenso mar de força contra tudo que nega a vida. Você lutou contra o preconceito, o racismo, a homofobia. Você é o nosso melhor, a cara do melhor Brasil, a gente quer ser você, a gente quer ser o melhor Brasil. Estamos todos devastados, mas essa dor não vai ser maior do que a alegria que você sempre nos proporcionou. A gente te ama para sempre”, finalizou.

Paulo Gustavo ficou internado por quase dois meses no Rio de Janeiro e teve várias complicações da Covid-19. Ele faleceu na noite do dia 4 de maio após sofrer uma embolia gasosa e seu quadro ser dado como irreversível.