Fale conosco

O que vc está procurando?

Márcia Piovesan

Famosos

Yasmin Brunet abre o jogo sobre vício aos 13 anos: ‘Usava como válvula de escape’

Modelo revelou que adquiriu o vício na infância para se sentir inclusa no grupo de amigos

Yasmin Brunet abre o jogo sobre vício aos 13 anos: 'Usava como válvula de escape'. Crédito: Reprodução/Instagram

Nesta sexta-feira, 11/09, Yasmin Brunet abriu o coração sobre a história de um vício que desenvolveu muito cedo.

Nos stories do Instagram, a modelo explicou que começou a fumar ainda na infância, para que pudesse se sentir inclusa em um grupo de amigos.

“Acho que tinha 13 anos. Estava todo mundo fumando, e nessa época era ‘cool’. A gente achava que era ‘cool’ fumar. Eu queria ser aceita na escola, nesse grupinho de meninas. Essas coisas todas que quando a gente é muito nova acha que vai fazer alguma diferença. Quando a gente sai da escola, vê que não é nada disso”, iniciou.

Em seguida, ela contou que tudo começou como brincadeira, mas o caso tornou-se um problema quando se viciou: “Nunca achei que fosse viciar. Eu detestava, na real. Quando comecei, odiava, ficava tonta, enjoada, tinha dor de cabeça, era horrível. Só que eu fui ficando viciada e fumei um tempão. Eu não fumava muito, porque comecei a usar o cigarro como uma válvula de escape de estresse e ansiedade”, afirmou.

Aos 32 anos, a namorada do surfista Gabriel Medina lembrou que um dia simplesmente parou de fumar. “Com uns 22 anos parei total de fumar. Porque lembro que fui subir um lance de escada e fiquei sem ar. Meu coração começou a disparar. Eu realmente fiquei com medo, porque pensei: ‘Com essa idade, se não conseguir subir um lance de escada, estou ferrada’. Então, só parei”, disse ela, que negou ter usado qualquer tipo de adesivo de nicotina ou chiclete para ajudar no processo.

No entanto, depois de falar sobre a experiência longe do vício, ela confessou que teve um momento de fraqueza: “Voltei a fumar no final do ano passado. Quando passo por um momento de muita ansiedade e estresse, minha válvula de escape acaba sendo o cigarro. Mas conversando com meu médico, descobri que essa vez pontual, foi uma válvula e não um vício. Então eu parei por causa do Gabriel e nunca mais voltei”, revelou.