Valentina Herszage faz teatro e cinema, mas não esquece Hebe: “Foi indescritível”

Atriz estrela musical e aguarda a estreia de três longas-metragens
Valentina Herszage
Valentina Herszage Foto: Ravel Andrade
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Valentina estreou na TV como protagonista da novela Pega-Pega, da TV Globo, exibida em 2017, com a personagem adolescente Bebeth. Mas foi no ano passado, ao viver Hebe Camargo jovem, na minissérie que contou a vida da apresentadora, que ela ganhou ainda mais destaque. Valentina contou que foi surpreendida com o convite para viver Hebe, quando a apresentadora era morena e começou a carreira como cantora. A atriz e Andréa Beltrão se revezam no papel da protagonista na minissérie em dez capítulos, ‘Hebe’ – disponível na Globoplay desde dezembro de 2019.

“Sempre digo que “Hebe” foi um dos grandes trabalhos para mim. Trabalhar com Andrea Beltrão foi indescritível. Os meses de preparação, de estudo para a série, a troca com o Maurício Farias e toda a equipe… fico muito feliz que o público tenha se emocionado com essa história tão incrível e profunda, feita com muito carinho”, disse ela.

Agora, a atriz brilha no teatro. Ela está cartaz no Rio de Janeiro com o musical Lazarus, desde 6 de fevereiro, espetáculo escrito por David Bowie e o dramaturgo irlandês Enda Walsh, dirigido por Felipe Hirsch, após temporada em São Paulo. “Fazer teatro é trabalhar diretamente em cima das poéticas. Para mim, o teatro é a base de tudo. A partir dele voamos para o cinema, televisão, dublagem… Eu assisto teatro sempre e estudo artes cênicas na faculdade. Estar em cartaz na minha cidade com uma peça dirigida pelo Felipe Hirsch, com um elenco dos sonhos, é uma alegria sem tamanho.”, declara Valentina.

E a jovem não para por aí. Além de estar na TV e no Teatro, Valentina, hoje com 21 anos, aguarda a estreia de três longas-metragens que filmou entre 2018 e 2019. São eles: Raquel 1.1 (2019), da diretora Mariana Bastos; Homem Onça (2018), do diretor Vinicius Reis; The Seven Sorrows of Mary, do diretor Pedro Varela. “O cinema sempre foi uma grande paixão para mim. Dentro de casa, cresci assistindo filmes nacionais, internacionais, filmes experimentais, filmes com/sobre música – eu e meus pais sempre assistimos de tudo. Sou apaixonada pela relação do ator com a câmera, a fotografia daquela história”, finaliza a atriz.

Veja mais

Últimas Notícias